Você está visualizando atualmente Como fazer o melhor planejamento de gastos?

Como fazer o melhor planejamento de gastos?

Gostou? Compartilhe:

O planejamento de gastos é um forte aliado para garantir a independência financeira. Diversas pessoas têm dúvidas sobre como fazê-lo de modo eficaz.

Um planejamento de gastos é um conjunto de hábitos e técnicas capazes de melhorar o orçamento pessoal e familiar de uma pessoa. Através dele se observa e planeja o dinheiro que está sendo gasto.

Dicas para um bom planejamento

Para se conseguir um bom controle de gastos, é fundamental que exista disciplina e organização.

  • Organize uma planilha de controle de gastos

O primeiro passo é criar uma planilha de gastos listando todas as entradas e saídas, sem se esquecer de nenhuma, isso vai ajudar com que você comece a colocar o orçamento doméstico em ordem. Após isso, é necessário começar a classificar seus gastos.

  • Classificar receitas e despesas

Após organizar a planilha é hora de classificar as receitas e despesas. No campo das receitas, a classificação pode ser feita em Receitas Fixas e Receitas Variáveis. Isso te ajudará a saber qual a fonte de renda que certamente entra todos os meses e qual renda varia mensalmente.

planejamento

No campo das despesas, elas podem ser classificadas como gastos fixos e gastos variáveis. Isso também ajuda a saber onde é mais fácil cortar gastos e onde é mais complicado.

  • Levantamento diário de gastos

Após os dois passos anteriores, faça o lançamento diário de seus gastos. Isso é fundamental para a criação de um bom banco de dados e futuramente pode melhorar o orçamento familiar.

  • Contraponha receitas e despesas

A próxima etapa consiste em desenvolver um gráfico das receitas e despesas para saber a porcentagem das receitas e ao mesmo tempo calcular a porcentagem de custo fixo e variável.

Isso ajuda a realizar um planejamento de redução de gastos, uma vez que fica mais fácil saber para onde o dinheiro está indo. As despesas fixas são gastos essenciais como:

  • Aluguel ou prestação da casa
  • Energia Elétrica
  • Água
  • Telefone
  • Gás
  • Produtos básicos de supermercado
  • Classifique a forma de pagamento

Depois de já ter um bom controle do orçamento, é necessário criar uma classificação da forma de pagamento, ou seja, incluir mais uma coluna especificando se a conta foi paga com dinheiro, cartão de débito, boleto ou cartão de crédito. Tal ação também ajuda a realizar as previsões futuras, pois se a maioria das contas estivem sendo pagas com cartão de crédito, é possível verificar o comprometimento futuro do caixa.

  • Revise seus gastos

Nessa etapa você deve avaliar onde podemos cortar gastos. Um bom método diz que todas as despesas fixas somadas não devem ultrapassar 50% da sua receita. As despesas variáveis não podem ultrapassar 30% e os 20% restantes devem ser investidos para garantir a liberdade financeira.

O que fazer após um planejamento de gastos

Após um longo planejamento é importante começar a poupar para investir, prazo que só é atingido após bastante dedicação, organização e disciplina. O ideal é conseguir guardar pelo menos 15% das receitas todo mês.

O planejamento de gastos é um forte aliado para garantir a independência financeira. Diversas pessoas têm dúvidas sobre como fazê-lo de modo eficaz.

Um planejamento de gastos é um conjunto de hábitos e técnicas capazes de melhorar o orçamento pessoal e familiar de uma pessoa. Através dele se observa e planeja o dinheiro que está sendo gasto.

Rungroj Yongrit/EPA, via Shutterstock

Dicas para um bom planejamento

Para se conseguir um bom controle de gastos, é fundamental que exista disciplina e organização.

  • Organize uma planilha de controle de gastos

O primeiro passo é criar uma planilha de gastos listando todas as entradas e saídas, sem se esquecer de nenhuma, isso vai ajudar com que você comece a colocar o orçamento doméstico em ordem. Após isso, é necessário começar a classificar seus gastos.

  • Classificar receitas e despesas

Após organizar a planilha é hora de classificar as receitas e despesas. No campo das receitas, a classificação pode ser feita em Receitas Fixas e Receitas Variáveis. Isso te ajudará a saber qual a fonte de renda que certamente entra todos os meses e qual renda varia mensalmente.

No campo das despesas, elas podem ser classificadas como gastos fixos e gastos variáveis. Isso também ajuda a saber onde é mais fácil cortar gastos e onde é mais complicado.

  • Levantamento diário de gastos

Após os dois passos anteriores, faça o lançamento diário de seus gastos. Isso é fundamental para a criação de um bom banco de dados e futuramente pode melhorar o orçamento familiar.

  • Contraponha receitas e despesas

A próxima etapa consiste em desenvolver um gráfico das receitas e despesas para saber a porcentagem das receitas e ao mesmo tempo calcular a porcentagem de custo fixo e variável.

Isso ajuda a realizar um planejamento de redução de gastos, uma vez que fica mais fácil saber para onde o dinheiro está indo. As despesas fixas são gastos essenciais como:

  • Aluguel ou prestação da casa
  • Energia Elétrica
  • Água
  • Telefone
  • Gás
  • Produtos básicos de supermercado

Foto: NYT/ Till Lauer

  • Classifique a forma de pagamento

Depois de já ter um bom controle do orçamento, é necessário criar uma classificação da forma de pagamento, ou seja, incluir mais uma coluna especificando se a conta foi paga com dinheiro, cartão de débito, boleto ou cartão de crédito. Tal ação também ajuda a realizar as previsões futuras, pois se a maioria das contas estivem sendo pagas com cartão de crédito, é possível verificar o comprometimento futuro do caixa.

  • Revise seus gastos

Nessa etapa você deve avaliar onde podemos cortar gastos. Um bom método diz que todas as despesas fixas somadas não devem ultrapassar 50% da sua receita. As despesas variáveis não podem ultrapassar 30% e os 20% restantes devem ser investidos para garantir a liberdade financeira.

O que fazer após um planejamento de gastos

Após um longo planejamento é importante começar a poupar para investir, prazo que só é atingido após bastante dedicação, organização e disciplina. O ideal é conseguir guardar pelo menos 15% das receitas todo mês.

 

Quer ficar por dentro de todos os assuntos do mundo tributário? Cadastre-se em nosso blog! Acompanhe também nosso trabalho nas redes sociais e não perca nenhuma novidade!


Gostou? Compartilhe: