Você está visualizando atualmente Fim do domínio de apps dos bancos deve gerar competição e beneficiar consumidor

Fim do domínio de apps dos bancos deve gerar competição e beneficiar consumidor

Gostou? Compartilhe:

Os superapps, agregadores de informações financeiras, estão previstos para substituir os aplicativos individuais dos grandes bancos. Essa mudança abre espaço para a competição entre sistemas, potencialmente beneficiando os consumidores, conforme discutido pelo presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, durante um evento nos Estados Unidos na sexta-feira, 10.

Campos Neto indicou que, em um futuro próximo – estimado em um ano e meio a dois anos -, aplicativos de bancos renomados, como Itaú, Bradesco ou Santander, deixarão de existir. A proposta é a criação de um app agregador que, por meio do conceito de Open Finance, integrará todas as contas financeiras dos usuários, formando uma carteira digital de dados.

Empresas como a Finansystech estão avançando nessa direção, atendendo mais de 40 bancos, cooperativas e seguradoras. Essas empresas buscam plataformas para oferecer aos clientes o conceito de Open Finance, permitindo a abertura dos dados dos produtos oferecidos pelas instituições financeiras utilizadas por cada cliente.

Essas informações estarão disponíveis para as instituições financeiras, caso o cliente consinta, podendo ser consolidadas em um único superaplicativo. Isso visa facilitar a gestão de múltiplas contas, como ressalta Danillo Branco, CEO da Finansystech, mencionando a conveniência de um único aplicativo para lidar com diversas transações financeiras.

Essa transição não significa o fim dos apps bancários, mas sim a busca por superapps combinando dados de várias instituições, que podem ser desenvolvidos tanto por bancos quanto por startups, sem a necessidade de uma licença bancária para fornecer esse serviço.

A competição entre esses superapps, conforme mencionado por Campos Neto, representará uma nova forma de interação com o cliente, e embora essa “guerra” seja um termo usado informalmente, refere-se, na verdade, à busca pela evolução dos canais de interação com o cliente.

A incógnita reside em quem prevalecerá nessa competição, algo que só será evidente daqui a dois anos. Grandes instituições financeiras já estão agindo para se adaptar a essa mudança, incorporando serviços de outras instituições em seus aplicativos, como é o caso do Banco do Brasil e do Bradesco.

No entanto, questões como segurança e disponibilidade dos aplicativos também serão cruciais para os consumidores. Atualmente, em casos de vazamento de dados ou interrupções nos serviços, os clientes sabem a quem reclamar – os bancos. Com os superapps, essa responsabilidade torna-se mais complexa.

A segurança dos dados permanece sob a responsabilidade das instituições que os armazenam, enquanto a disponibilidade do aplicativo é de responsabilidade da empresa proprietária da tecnologia. O Banco Central regula a disponibilidade das informações pelos bancos e pode impor sanções se não estiverem acessíveis conforme determinado.

Em relação à velocidade dessa transição, Campos Neto estima um período realista de um ano e meio a dois anos, com base na rápida adoção do PIX. O crescimento inesperado das transações instantâneas com o PIX, superando as estimativas iniciais, sugere que essa transição pode ser mais rápida do que se espera.

Gostou da matéria? Não deixe acompanhar nosso blog diariamente. Caso tenha dúvidas ou queira tratar desse ou outros assuntos jurídicos, entre em contato com a nossa equipe.


Gostou? Compartilhe: